-->
Restaurante de alto padrão é interditado por descumprir decreto em Juazeiro do Norte

Restaurante de alto padrão é interditado por descumprir decreto em Juazeiro do Norte

Um restaurante de alto padrão em área nobre de Juazeiro do Norte foi interditado e multado na noite deste sábado, 10, por descumprir as regras do decreto estadual de isolamento social. Localizado no bairro Lagoa Seca, o estabelecimento estava com quantidade de pessoas muito acima do limite permitido, segundo a Vigilância Sanitária local. Os agentes de fiscalização foram ao local após receberem denúncias anônimas.

“Nos deparamos com os clientes dançando, muitos deles sem máscara e uma grande aglomeração”, afirmou ao O POVO o coordenador da Vigilância Sanitária, Everton Alves. Como punição, o restaurante foi interditado de forma cautelar por sete dias e recebeu multa de R$ 6.540, valor que ainda pode chegar a R$ 75 mil, a depender do andamento do processo administrativo aberto hoje.

O mesmo restaurante já havia sido notificado e interditado por três dias depois de reincidir na desobediência às regras do decreto. “Não vamos nos furtar ao nosso papel. Vamos interpor as medidas cabíveis para todos aqueles que desrespeitarem o decreto. A fiscalização está em ação todas as noites”, enfatiza Everton. O trabalho de fiscalização conta com o envolvimento de órgãos municipal e estadual, como a Guarda Civil Metropolitana (GCM), Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), Autarquia Municipal de Meio Ambiente (Amaju), Polícia Militar e Polícia Civil.

Em Juazeiro do Norte, as restrições mais duras para evitar a propagação do novo coronavírus se estenderam até o fim de junho. No dia 28, bares e restaurantes foram autorizados a reabrir as portas, com limitação de horário de funcionamento até às 22h00min e ocupação máxima de 50%. Desde então, o público tem comparecido em peso aos estabelecimentos, que nem sempre se adequam às exigências impostas pelo decreto.

Neste sábado, a cidade registrou mais 130 casos positivos de Covid-19 e dois óbitos por complicações da doença.

Fonte: O Povo